Laboratório de análise de tecido vegetal mantém selo de qualidade

O laboratório analisa, em média, cinco mil amostras por ano (Foto: Nilson Teixeira/Epagri)

O laboratório de análise de tecido vegetal da Estação Experimental da Epagri em Caçador manteve para 2018 o selo de qualidade do trabalho que realiza. O selo faz parte do Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal, coordenado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP).

O selo garante que as análises realizadas pela unidade são confiáveis e podem ser usadas como parâmetro para definir manejos na agricultura catarinense, esclarece Bianca Schveitzer, química da Epagri e responsável pelo laboratório. Ela explica que a análise foliar é um método mundialmente reconhecido e recomendado para verificar o estado nutricional da planta. A análise permite verificar se o adubo aplicado supriu as necessidades da planta e se existe excesso de algum nutriente. Com base nessa avaliação o agricultor poderá ajustar seu programa de adubação para atingir maior produtividade sem agredir o meio ambiente.

Esse é o único laboratório de Santa Catarina a prestar esse tipo de serviço. A cada ano são analisadas mais de mil amostras para agricultores e cerca de quatro mil sob encomenda de pesquisadores, revela Bianca. A unidade conta com uma equipe de quatro profissionais, que inclui a química, técnicos e auxiliares.

O Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal consiste na coleta, preparo e envio anual de amostras prontas para serem analisadas pelos laboratórios participantes. No total, são encaminhadas todo ano 16 amostras de tecido vegetal para cada laboratório, identificadas só por uma numeração, a fim de aumentar a segurança e a confiabilidade dos resultados.

(Publicado em Vol. 31, nº1, jan./abr. 2018)