Novas estruturas impulsionam trabalho de pesquisa e extensão rural  

Na UBS são beneficiadas e classificadas sementes de arroz de variedades desenvolvidas pela Epagri (Foto: EEI/Epagri)

A Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI) conta com uma nova Unidade de Beneficiamento de Sementes de Arroz (UBS), cujo diferencial é o sistema de automação que oferece mais agilidade, segurança e rastreabilidade em todo o processo. A estrutura, inaugurada no fim de 2018, tem 588,71 metros quadrados, com espaços para recepção, pré-limpeza, secagem e beneficiamento de sementes. Há ambiente próprio para armazenamento, sala de engenho de prova, fornalha de secagem, além de setores de ensacamento, pesagem e apoio.

A unidade tem capacidade de receber até quatro cultivares simultaneamente. Entre os equipamentos novos, conta com máquinas de pré-limpeza e de limpeza, mesa densimétrica e elevadores sem poço. Também foi instalado um secador intermitente com sistema automático de secagem a gás para o melhor controle da temperatura durante o processo.

Foram investidos R$917.631,14 na reforma do prédio e aquisição dos equipamentos. Os recursos foram aportados por meio de projeto aprovado pela Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep). Na UBS são beneficiadas e classificadas sementes de arroz das variedades desenvolvidas pela Epagri para diferentes condições de clima e solo de Santa Catarina. Esse processo vai garantir ainda mais qualidade às sementes de origem genética e básica produzidas pelos pesquisadores, beneficiando, mais adiante, os agricultores que compram sementes das empresas certificadas pela Epagri.

Vinícola experimental

Com R$890 mil em investimentos provenientes do PAC Embrapa, a Estação Experimental de Videira (EEV) recebeu uma vinícola experimental totalmente reestruturada. Quase a metade desse valor (R$430 mil) foi aplicada na reforma do prédio. O restante serviu para compra de equipamentos mais modernos para elaboração de vinhos e montagem de uma fábrica piloto de sucos. A modernização vai impulsionar pesquisas que permitam aprimorar as características dos produtos derivados da uva.

A vinícola experimental foi inaugurada em 1987, como Cantina Modelo, e é responsável por pesquisas que deram origem a produtos ícones no mercado vitivinícola, como os Vinhos Finos de Altitude e o espumante Niágara. Também foram desenvolvidos na unidade espumantes pelo método tradicional e sucos de uva que caíram no gosto dos consumidores.

Unidades de aprendizado

Três centros de treinamento da Epagri receberam recursos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para serem reestruturados. Recentemente, foi inaugurado o Centro de Referência Tecnológica do Leite (CRT) no Centro de Treinamento da Epagri de Campos Novos. O objetivo é capacitar agricultores, técnicos e estudantes no sistema de produção à base de pasto, recomendado pela Empresa por ser mais adequado à realidade das propriedades catarinenses. O CRT Leite conta com animais, sala de ordenha, pastagens perenes, cerca elétrica, piquetes com água e sombra e sobressemeadura. A unidade está em pleno funcionamento, mas continuará sendo ampliada até dezembro de 2019.

No Centro de Treinamento de Tubarão (Cetuba), está sendo estruturada uma Unidade Didática de Gado de Corte. O projeto, no valor de R$612 mil, prevê áreas de piqueteamento, melhoramento de pastagens e instalações antiestresse, atendendo às normas de bem-estar animal. A unidade, que deve ficar totalmente pronta até o fim do ano, servirá para analisar resultados técnicos e financeiros da atividade, realizar cursos e dias de campo e desenvolver pesquisas em parceria com a Estação Experimental de Lages (EEL).

E em Videira, o Centro de Treinamento da Epagri deve finalizar no primeiro semestre a Unidade de Referência em Produção Integrada (PI) de Pêssego e Uva. Com 0,3 hectare, a área servirá para apresentar aos produtores tecnologias como telas de cobertura antigranizo, sistemas de fertirrigação por gotejamento e de aspersão para controle de geada, raleio químico e uso de reguladores de crescimento.

(Publicado em Vol. 32, nº2, mai./ago. 2019)

Compartilhe